Home Nacional Bom para oposição, ruim para Geraldo – Coluna do Magno

Bom para oposição, ruim para Geraldo – Coluna do Magno

47
0

Na primeira pesquisa de intenção de voto para governador de Pernambuco em 2022, do Instituto Opinião (PB), postada abaixo, com exclusividade para este blog, algumas constatações naturais, dentre elas uma irrefutável: o pré-candidato das forças governistas, ex-prefeito do Recife, Geraldo Júlio (PSB), não desponta com o potencial eleitoral que muitos aliados imaginavam. Mais do que isso, é detentor de uma rejeição que, dificilmente, pode ser revertida num curto espaço de tempo.

Para quem ficou na vitrine nos últimos oito anos, prefeito eleito e reeleito da capital, onde está concentrado o maior reduto eleitoral do Estado, largar com menos de 7% é algo muito preocupante. Na verdade, tecnicamente, Geraldo está situado num empate técnico com o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (MDB), uma cara ainda desconhecida na área metropolitana, com forte inserção apenas no Sertão, notadamente o Vale do São Francisco, onde tem quase metade das intenções de voto – 48%.

Além de estar entre os lanternas, Geraldo é o nome mais rejeitado entre todos os pré-candidatos. Outro dado que o coloca numa situação ainda mais delicada: Zé Neto (PSB), secretário da Casa Civil, fora da mídia, que ganhou um pequeno espaço apenas com a lembrança do seu nome pelo líder do Avante na Câmara, Sebastião Oliveira, já pontua na pesquisa, mesmo timidamente com 2,5%, sinal de que, vindo a ser colocado na vitrine, pode atrapalhar o projeto de Geraldo de ser escolhido, consensualmente.

A pesquisa, na verdade, foi boa para as novas caras com sonho majoritário – Raquel Lyra (PSDB), Anderson Ferreira (PL) e Miguel Coelho, respectivamente à frente dos governos de Caruaru, Jaboatão e Petrolina. Bingo para Raquel, que, além de aparecer em segundo lugar num cenário em que seu nome é misturado com todos os eventuais concorrentes, chega a liderar quando o Opinião testa um segundo cenário para governador substituindo Marília Arraes pelo senador Humberto Costa (ambos do PT).

O cenário, eventualmente, é de empate técnico, mas não deixa de ser alentador para Raquel por estar à frente de todos, numericamente. Avaliando o quadro mostrado pela pesquisa, todos os candidatos da oposição são, sem dúvida, competitivos. Anderson Ferreira, por exemplo, tem, teoricamente, mais aderência na Região Metropolitana do que Marília, na medida em que a petista aparece com mais intenção de voto na Zona da Mata do que mesmo na Metropolitana.

Quanto a Miguel, não foi nenhuma surpresa os números bastante favoráveis na região em que é de fato conhecido e tem serviços prestados como prefeito de Petrolina, o Vale do São Francisco, adentrando, também, com bons percentuais de intenção de voto no restante do semiárido, do Sertão Central, cujo epicentro é Salgueiro, ao Sertão do Araripe, Pajeú e Moxotó. O grande desafio de Miguel, conforme mostra a pesquisa, é ganhar a simpatia do eleitorado do Grande Recife e Zona da Mata.

Se outros fatores externos não tiverem o peso que se espera na sucessão estadual, como a nacionalização da eleição com Lula candidato ao Planalto e aliado do PSB em Pernambuco, as oposições têm quadros competitivos que, bem trabalhados, podem se traduzir numa ameaça à retomada do poder das mãos dos socialistas desde que Eduardo Campos foi eleito em 2006.

O fator Marília – A liderança de Marília pode ser interpretada pelo recall (lembrança) da eleição que disputou a Prefeitura do Recife, ano passado, sendo derrotada em segundo turno por João Campos. Se até lá seu nome perdurar com a força demonstrada nesta largada, seu grande desafio será convencer o PT a apoiar sua candidatura. O que se especula é que, num cenário de candidatura própria, sem atrelamento ao PSB, Lula e o PT estadual, majoritariamente, tendem a optar pelo nome de Humberto Costa, descartando, mais uma vez, quem, de fato, mostra que tem voto e densidade para derrotar o PSB.

Senador péssimo de voto – O senador petista, entretanto, é um fardo para o partido se vier de fato a disputar o Palácio das Princesas em voo próprio, desatrelado do PSB. Quando entra na disputa num cenário em que substitui Marília no PT, Humberto aparece com menos da metade das intenções de voto da deputada numa posição mais favorável para os demais partidos de oposição. O senador chega a ser ultrapassado pela prefeita de Caruaru, Raquel Lyra, a grande surpresa do levantamento na medida em que não colocou ainda seu nome na disputa claramente, como Anderson e Miguel.

Zero voto no São Francisco – As porteiras do Sertão do São Francisco, onde Miguel detém 48% das intenções de voto, parecem fechadas para Geraldo Júlio. Incrivelmente, não chega sequer a pontuar, com 0% no levantamento do Opinião. E olha que o ex-prefeito não é uma cara desconhecida na região. Além de aparecer na mídia estadual como gestor da capital, Geraldo começou, de fato, sua carreira na vida pública em Petrolina, como secretário do então prefeito Fernando Bezerra Coelho (MDB), pai do prefeito Miguel Coelho, uma das apostas da oposição ao Palácio das Princesas.

A força de Raquel – Raquel Lyra, a grande surpresa da primeira pesquisa para governador do Estado, faltando ainda um ano e seis meses para as eleições, consegue se projetar bem no Agreste a partir de Caruaru, município que administra em segundo mandato. Segundo o levantamento, a tucana beira os 25% das intenções de voto na região, um ponto a mais do que Marília Arraes, a que mais se destaca além da fronteira da Metropolitana. Anderson e Miguel, que disputam com a tucana a preferência para unir a oposição, se situam com menos de 2% no Agreste, região muito ruim também para Geraldo, que tem apenas 1,9% das intenções de voto.

CURTAS

Frustração – A pesquisa deve cair como uma bomba nas hostes governistas. Afinal, é a primeira vez que um pré-candidato do PSB, com duas máquinas sob o controle – o Governo do Estado e a Prefeitura do Recife – aparece no rabo da gata. Para não deixar o ex-prefeito fora da mídia, o governador Paulo Câmara o nomeou secretário de Desenvolvimento Econômico, uma pasta, diga-se de passagem, que nunca serviu de vitrine para ninguém, até porque Suape há muito deixou de ser notícia.

Sucessão presidencial – Ao longo desta semana, este blog trará o restante de todos os cenários pesquisados pelo Instituto Opinião. Hoje, à meia-noite, o leitor tomará conhecimento do quadro da disputa à Presidência da República e, amanhã, o cenário para senador da República. Em seguida, virão os cenários mostrando o potencial de cada candidato da oposição frente ao postulante do Governo, a influência de Lula e Bolsonaro, além das avaliações dos governos do Estado e Federal.

Perguntar não ofende: As operações da Polícia Federal no Recife – sete ao todo – levaram Geraldo Júlio ao rabo da gata na disputa pelo Governo do Estado?

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here